AERONAVES de asa fixa para o Exército Brasileiro

Fonte: Indústria de Defesa & Segurança//

O Comando Logístico da Amazônia quer adquirir aeronaves de asa fixa para as operações do Exército Brasileiro (EB) no estado. Hoje, o EB é a única Força brasileira que não possui aeronaves desse tipo em seu arsenal e conta apenas com aeronaves de asas rotativas. De acordo com o general Theophilo Gaspar, comandante logístico do EB, o objetivo é munir a Força Terrestre com aeronaves de asa fixa, bimotor e que tenham capacidade de pouso e decolagem em pistas curtas de diferentes tipos de piso. Além disso, a Força busca ainda aeronaves com capacidade de transporte de cerca de duas toneladas.

.: Leia também: EUA ainda não confirmaram participação no AmazonLog, diz gen. Theophilo Gaspar

Segundo o general, a aquisição das aeronaves está em fase de experimentação doutrinária. “Queremos aviões de asa fixa na Amazônia. Estamos na fase de estudos. Já levamos duas aeronaves para a Amazônia: o M-28 polonês e o Twin Otter canadense. Fizeram testes e foram aprovadas”, explica. Além das duas aeronaves, uma comitiva do EB visitou os Estados Unidos para avaliar o bimotor Anv C-23B Sherpa no final do ano passado. Apesar do general Theophilo não ter confirmado nenhuma data, a previsão é que as novas aeronaves sejam incorporadas ao Exército até 2019.

Na Amazônia, as aeronaves serão usadas para apoio logístico aos Pelotões Especiais de Fronteira (PEF). O estado é prioridade para receber as aeronaves, que também poderão ser empregadas no Rio de Janeiro e em Taubaté (SP). O uso de aviões de asa fixa foi parado no EB em 1941 com a criação do Ministério da Aeronáutica e da Força Aérea Brasileira (FAB), e a consequente transferência para a nova força de todo o material aéreo.

VEJA TAMBÉM EM

53245_6

 

Leave A Reply