AVIÃO abandonado no Brasil é alvo de disputa na Alemanha

Fonte: DW/

Estacionado em Fortaleza, um Boeing que pertencia à Lufthansa e foi sequestrado por terroristas há 40 anos é agora motivo de disputa entre cidades alemãs que concorrem para abrigá-lo em museu. O Landshut – como é chamado o famoso avião na Alemanha – estava abandonado há nove anos num cemitério de aviões no Aeroporto Pinto Martins e foi comprado da Infraero pelo governo alemão.

.: Leia também: Alemanha quer de volta avião sequestrado em 1977 que está no Brasil

Uma equipe da Lufthansa, antiga proprietária da aeronave, foi enviada a Fortaleza para desmontar a aeronave e transportá-la para a Alemanha, onde deve ser exposta num museu particular, em Friedrichshafen, no sul do país.
O 40° aniversário do chamado Outono Alemão – período que marcou o auge da luta entre o Estado alemão e o terrorismo de extrema esquerda e do qual o Landshut se tornou símbolo – fez com o governo alemão se interessasse pelo retorno da aeronave à Alemanha.

Há poucas semanas, o ministro do Exterior, Sigmar Gabriel, foi a Friedrichshafen anunciar que o Landshut deveria ser exposto no Museu Aeroespacial Dornier da cidade, às margens do Lago Constança. “Agradeço à Fundação Dornier por nos ter feito uma oferta tão maravilhosa”, afirmou o ministro na ocasião.

O problema é que agora surgiu outra cidade alemã interessada no famoso avião. Em sua edição desta semana, a revista alemã Spiegel relatou que Simone Lange, prefeita de Flensburg, no norte do país, acusa agora o Ministério do Exterior em Berlim de ter quebrado a promessa de uma licitação aberta para escolher o melhor local para abrigar o Landshut.

Fontes do aeroporto de Fortaleza disseram que o avião ainda está sendo desmantelado. Até esta quinta-feira (07/09), a cauda e parte das asas teriam sido desmontadas, afirmaram. Segundo a mídia alemã, as peças deverão ser levadas por dois aviões do tipo Antonov, o que leva a crer que a fuselagem será transportada separadamente dos demais componentes.

É provável que o transporte aconteça até meados de setembro, pois o avião deverá fazer parte das comemorações, em meados de outubro próximo, dos 40 anos do sequestro que marcou a recente história alemã.

HITÓRIA
A aeronave foi sequestrada em outubro de 1977, com mais de 90 pessoas a bordo, por quatro integrantes da Frente Popular para a Libertação da Palestina, que, para liberar os reféns, pedia a libertação de membros da Fração do Exército Vermelho (RAF) presos na Alemanha. No dia 13 de outubro, a aeronave partiu de Palma de Mallorca, na Espanha, com destino ao aeroporto de Frankfurt. Ao entrar no espaço aéreo francês, os extremistas, armados com pistolas e granadas, anunciaram o sequestro e deram início à jornada de 106 horas que terminaria apenas na Somália.

Para libertar os passageiros, o grupo exigia que o governo alemão soltasse integrantes da RAF presos na Alemanha. Berlim se recusou a libertá-los. Antes de pousar em Mogadíscio, durante o sequestro, o avião fez paradas para reabastecer em Roma, Lárnaca, Bahrein, Dubai e Áden. Após o assassinato do piloto em frente aos passageiros, no dia 16, o copiloto foi obrigado a continuar sozinho a jornada. Na capital somali, forças especiais da polícia federal da Alemanha conseguiram libertar a aeronave na madrugada do dia 18 de outubro de 1977.

Três dos quatros sequestradores foram mortos na ofensiva. Depois do fracasso da ação terrorista, Andreas Baader, Jan-Carl Raspe e Gudrun Ensslin, membros destacados da RAF, cometeram suicídio coletivo na prisão. Após o sequestro, a aeronave continuou transportando passageiros da Lufthansa até ser vendida pela empresa alemã em 1985. O Landshut teve vários proprietários e passou a levar cargas. Até 2008, ele voou pela TAF, de Fortaleza. Devido a pendências judiciais da empresa, o avião foi penhorado e há nove anos está parado no cemitério de aviões da capital cearense.

VEJA TAMBÉM EM

53245_6

Leave A Reply