BOEING procura o controle da Embraer com salvaguardas de defesa, diz Bloomberg

A Boeing está buscando o controle da Embraer oferecendo as salvaguardas do governo brasileiro sobre a unidade de defesa da empresa, informaram fontes do site Bloomberg. A empresa americana está argumentando que os negócios feitos na Austrália e na Inglaterra mostram a capacidade de operar negócios de defesa sem comprometer os planos militares, afirmaram fontes que pediram para não serem nomeadas porque as conversas são privadas. O Brasil, que sinalizou oposição a uma aquisição no mês passado, agora está sugerindo que ela tenha alguma flexibilidade na questão de controle, completaram as fontes.

.: Leia também: O Voo Alto da Embraer

Representantes de ambas as empresas e do governo do Brasil estão explorando proteções de defesa que ainda darão a Boeing acesso completo à linha de produtos da Embraer. A Boeing também prometeu reter a marca Embraer ao alistar os engenheiros da empresa brasileira em programas como o desenvolvimento potencial de um avião chamado “new mid-market airplane,” disseram.

O governo não tem nenhum problema em vender a participação do Estado brasileiro na Embraer, mas não está disposto a desistir de sua “golden share”, disse um assessor presidencial que está familiarizado com as negociações. A ação dá ao governo o poder de veto sobre uma mudança de controle na Embraer, bem como as principais decisões estratégicas sobre as operações de defesa da empresa.

RISCO POLÍTICO
O BNDESpar, braço de investimento do banco de desenvolvimento estadual brasileiro, está entre os maiores acionistas da Embraer, com participação de 5,4%, de acordo com o site da empresa. Outros investidores incluem bancos controlados pelo Estado – Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal -, de acordo com dados compilados pela Bloomberg.

A Boeing e a Embraer estão pressionando para um acordo com o governo brasileiro, logo que haja o risco de que a oposição política atinja as eleições presidenciais no final deste ano, disseram as pessoas. A Boeing também deseja que os engenheiros da Embraer iniciem o mais rápido possível o projeto para desenvolver a nova aeronave.

Um acordo daria à Boeing uma oferta de aeronave na categoria de 100 lugares para contrariar uma nova ameaça da Airbus, que acordou em outubro para assumir o controle do programa C Series da Bombardier. O jato canadense, que compete com os maiores aviões comerciais da Embraer, é alvo de uma reclamação comercial dos Estados Unidos apresentada pela Boeing. A Boeing e a Embraer se recusaram a comentar. O Ministério da Defesa do Brasil não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Fonte: Bloomberg

NOTÍCIAS RELACIONADAS:

VEJA TAMBÉM EM

53245_6

1 Comentário

  1. Haroldo C. Penedo on

    Disseram que o pt era comunista porém as tecnologias eram nossas, agora a direita está fazendo tudo o que os americanos etc queriam , nada mais será nosso, o pré-sal se foi, Alcantara se foi, agora vai a Embraer, logo e que é o maior objetivo será sabota a construção do submarino nuclear, pois todos sabem que a Embraer faz parte do mesmo. Sinto vergonha de ter a direita no comando, preferia os nojentos do pt pois eram mais brasileiros do que os também ladrões da direita que vendem a mãe e o país juntos.

Leave A Reply