Brasil não tem força militar para integrar Conselho de Segurança da ONU, acredita Jungmann

Fonte: Com inf. de Rádio Joven Pan e MD//

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, acredita que o Brasil ainda não está preparado para conquistar um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU. Para o ministro, a pouca força militar do País demonstra que ainda não é o momento para isso. “Meu temor é de chegarmos sem a força necessária”, ponderou durante uma palestra para turmas do Instituto Rio Branco, em Brasília.

.: Leia também: Jungmann defende reforma no Conselho de Segurança da ONU

A pretensão brasileira de se tornar um membro permanente do Conselho de Segurança da ONU é antiga e tem ganhado força em um movimento diplomático internacional. Entre os países que o Brasil tem buscado apoio para a empreitada estão Rússia e Portugal. O Brasil esteve presente de forma temporária no órgão por dois biênios.

.: Leia também: Portugal quer Brasil, Índia e países africanos no Conselho de Segurança da ONU

EXÉRCITO FORTE
Jungmann também comentou sobre o papel das Forças Armadas na realidade brasileira. Apesar de haver senso comum de que o Brasil não tenha inimigos externos, para ele, é essencial ter um Exército bem estruturado. Para o ministro não se pode menosprezar a defesa apenas porque o Brasil se encontra em tempos de paz. “Se nós minimizarmos o papel da defesa e dizer que somos a expressão do soft power ad eternum, em algum momento vamos ter uma surpresa muito amarga“, declarou.

.: Leia também: Brics pedem reforma do Conselho de Segurança da ONU

Sobre fronteiras, Jungmann crê que a convergência defesa e diplomacia é crucial para resolver o problema dos crimes transfronteiriços. “Não há menor possibilidade de encararmos os desafios que nós temos nas grandes cidades, se não encontrarmos mecanismos de sinergia, primeiro entre nós, e segundo entre nós e nossos vizinhos.”

 

VEJA TAMBÉM EM

53245_6

Leave A Reply