Carnaval inseguro

A decisão de retirar as tropas das Forças Armadas da segurança do Rio de Janeiro às vésperas do carnaval é temerária.

O Rio de Janeiro vive um momento de grande agitação social. A derrocada da indústria do petróleo somada à falência do Estado deu vez a um quadro de desemprego e insegurança inédito. Profissionais estão sem conseguir renda para sustentar as suas famílias e a verdade é que não há boas respostas para eles. Nada leva a crer que esse quadro se reverta a curto prazo. Forças políticas tentam mobilizar estas vítimas dos erros estratégicos e éticos dos últimos governos do Estado para a defesa de causas polêmicas. São chefes de família, estudantes, donas de casa que saem às ruas na tentativa de sensibilizar o governo para o drama que vivem.

RJ_carnaval-de-ruaPor outro lado, o quadro de criminalidade da cidade vive um acirramento. A falências das UPPs trouxe de volta à muitas favelas quadrilhas que lutam entre si para recuperar esse espaço estratégico para o desenvolvimento de suas atividades criminosas.

Ou seja, há combustível disponível para se desenvolverem atos criminosos ou manifestações violentas capazes de perturbar a ordem pública pondo em risco a vida de cidadãos cariocas e turistas.

O fato da brava PM do Estado do Rio estar nas ruas não esconde a enorme insegurança que esses policiais (e todos os funcionários públicos cariocas) têm a respeito de seu futuro imediato. O Estado não tem uma liderança capaz de tranqüilizar suas forças policiais quanto ao recebimento de salários e equipamentos para o desempenho das missões.

64852698_RI-Rio-de-Janeiro-12-de-fevereiro-de-2017Policiamento-na-praia-do-Arpoador.Foto-A

É estarrecedor o fato da polícia não poder garantir a segurança de um jogo de futebol entre Vasco e Flamengo. Um clássico da cidade que será jogado em outra localidade porque a polícia não pode se responsabilizar pela segurança dos torcedores. Ora, garantir a segurança de uma plateia em um espetáculo público nunca foi um grande desafio para nenhuma polícia no mundo. Somente em estados de guerra é que esses espetáculos são suspensos.

Se a PM do Rio admite que não pode garantir esse jogo, o que mais se pode pedir de suas forças?

O Carnaval é a grande data do turismo brasileiro. Esperemos que tudo saia bem e que mais uma vez o Rio de Janeiro seja palco de um espetáculo de paz e alegria. E que a atitude precipitada de retirar as Forças Armadas da segurança ostensiva da cidade não tenha maiores consequências.

José Carlos Mattos
Editor do site ID&S

VEJA TAMBÉM EM

53245_6

 

 

Leave A Reply