DEFESA planeja cortar operações militares para se ajustar a novo Orçamento

Fonte: Indústria de Defesa & Segurança//

O Ministério da Defesa (MD) pretende cortar número de operações militares para ajustar a pasta ao Orçamento 2017 pós contingenciamento. De acordo com o Chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, Almirante Ademir Sobrinho, os projetos estratégicos serão os “menos prejudicados” pelo corte de R$ 6 bilhões da Defesa.  “Os projetos estratégicos foram os menos prejudicados. Mas o ministro já adiantou que possivelmente até o final do ano será recomposto esse contingenciamento que foi feito. Quanto às despesas correntes das Forças, essa sim nós vamos ter que ajustar aos cortes. Nós já estamos cancelando algumas operações, cancelando alguns encontros que nós teríamos no exterior”, disse.

.: Leia também: Com contingenciamento, PROSUB tem verba para só mais 4 meses

De acordo com o Almirante, as operações de paz das Forças Armadas não sofrerão cortes. “Logicamente que nós temos algumas despesas que nós não temos como realizar cortes. Por exemplo: as operações de paz, as tropas já estão no exterior e não podemos interromper; a parte de comunicações satelitais, nós não podemos interromper. Então vamos ter que verificar onde nós podemos realizar esse contingenciamento dentro do Estado Maior das Forças Armadas. Mas teremos um período difícil pela frente, sem dúvidas”, finalizou.

.: Leia também: EXÉRCITO deve receber 80 unidades do Guarani neste ano

PROJETOS ESTRATÉGICOS
Com o quarto Orçamento da República, o Ministério da Defesa não exclui a possibilidade de repor o valor cortado ao longo do ano. De acordo com o ministro da Defesa, “o Gripen não sofrerá nenhuma descontinuidade”, já que possui um financiamento organizado. “O principal só será pago quando forem entregues os 36 caças”, disse. Em relação ao Exército, a pasta planeja conseguir parcerias com países vizinhos para a implementação do Sisfron. Dessa forma serão compartilhados dados do sistema, tecnologia e também as despesas.

De acordo com Jungmann, o projeto Guarani conta atualmente com uma produção anual de 60 blindados e já sofreu cortes no passado. Quanto ao Prosub, o ministro garantiu que o cronograma para a finalização do primeiro submarino será cumprido. O S-BR1 deverá ser lançado ao mar em julho de 2018.

VEJA TAMBÉM EM

53245_6

Leave A Reply