DRONES: Empresa brasileira expande suas operações nos Estados Unidos

Fonte: Flyware//

A gaúcha Flyware de drones conquistou nova licença comercial Part 107 da FAA, Federal Aviation Administration, uma entidade governamental dos Estados Unidos que regulamenta o setor de segurança de aviação. Com a licença, a empresa brasileira de drones poderá atuar em território americano. A Flyware Aerial Precision Services foi fundada em 2015 por profissionais qualificados em TI, aviação e fotografia. Em 2015 tornou-se líder ao receber o certificado Exemption 333.  

.: Leia também: ANAC aprova legislação para uso de drones

Diretamente da Flórida, Marcello Mattos, sócio fundador e diretor de marketing da Flyware, trabalha para impulsionar as operações e colocar em prática o objetivo da empresa, que é de expandir os negócios da Flyware, oferecendo sempre aos clientes serviços de alta qualidade e segurança. Marcelo afirma que “o uso de drones comerciais ficou mais restrito após um mandato do Congresso Americano e forte pressão da indústria sobre a FAA para integrar essa tecnologia crescente no National Air Space (NAS)”.

Isso se deu devido a novas regras que cobrem drones de até 55 libras, o que refere a maioria dos drones usados para fins profissionais e de demais aplicações. Dessa maneira, veículos aéreos não tripulados precisam de uma certificação para operar no sistema comercial, e seguir as regras estabelecidas pela FAA. Para obter essa licença é necessário passar por um teste que avalia a competência e conhecimento do indivíduo na área em questão, além de uma verificação de antecedentes pela TSA, Transportation Security Administration, órgão governamental também competente por supervisionar a entrada e saída de indivíduos no país.

 “Estamos entrando em uma nova era de pequenas empresas, podendo ter acesso a imagens aéreas em um baixo custo anteriormente inconcebível. Como primeira empresa brasileira autorizada a operar drones para fins comerciais nos Estados Unidos, a FLYWARE orgulha-se de ser uma líder na vanguarda dessa nova tecnologia e inovação”, e ressalta Marcello Mattos, FAA Certified Pilot.

REGRAS ESTABELECIDAS
As regras são rigorosas com a finalidade de tornar legal a utilização dessa tecnologia visando à segurança da população, levando-se em conta o alto nível de complexidade, e riscos nas operações. Os usuários não podem pilotar as suas aeronaves perto de pessoas, devem respeitar a linha de visão, permanecer abaixo de 400 pés, e respeitar os tipos de equipamentos que podem ser integrados nos mesmos.

Outro fator extremamente importante é não alçar voos em aeroportos, as torres de controle devem ser notificadas das operações dentro de cinco milhas. Os operadores devem estudar todo o regulamento e evitar colidir com outras aeronaves. Desse modo, adquirindo estabilidade e a segurança de todos. Portanto, qualquer manipulação com operações de veículos não tripulados seja para uso recreativo, corporativo, comercial ou experimental, devem seguir as regras implantadas.

É um processo que garante uma entrada segura e jurídica, e incentiva operações conscientes. Esse segmento beneficia a economia de modo considerável. A FAA identifica esse projeto como de alta precedência para atender solicitações de operações civis nos UAS com propósito comercial.

No Brasil a ANAC, Agência Nacional de Aviação Civil, é responsável pelo sistema de aviação, no qual controla e direciona os adeptos pela prática para que tenha uma operação segura e planejada com o seu drone. O órgão efetivou uma regulamentação no dia 02 de Maio de 2017, seguindo definições da FAA, Federal Aviation Administration. As normas são complementares aos outros órgãos governamentais como o Departamento de Controle do Espaço Áero (DECEA), e da Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL).

Segundo o CEO e fundador da empresa, Alexandre Costa, que já instituiu outras três empresas, afirma: “A regulamentação do uso de drones no Brasil veio preencher uma lacuna para o uso profissional destas aeronaves e creio que agradou a maioria do setor que já empregava os drones em várias atividades e aguardava este marco legal. Criou segurança tanto para as empresas operadoras quanto para os clientes contratantes. É um passo importante no uso desta tecnologia num país continental como o Brasil.”.

FLYWARE
A empresa oferece cursos sobre drones, apresenta ao público às últimas tecnologias de RPA, Aeronaves Remotamente Pilotadas, e equipamentos de última geração para proporcionar qualidade e sucesso profissional aos serviços oferecidos, e aos alunos que buscam aperfeiçoamento e aprendizado. Além dos cursos de drones, oferece serviços de publicidade, inspeções técnicas, treinamento, manutenção, aerofotogrametria, e serviços de agronegócios. “A tecnologia e uso de drones está ganhando espaço rapidamente no mercado e queremos treinar e preparar os novos profissionais para atender a demanda de crescimento do setor”, diz, Alexandre Costa.

Atenta a novas tecnologias e formar profissionais capacitados para atuar na área de grande potencialização, a empresa lançou novos treinamentos, com vagas limitadas, realizados no final de Agosto de 2017 em Porto Alegre, e final de Setembro na Universidade Luterana do Brasil – ULBRA, Campus Canoas. O curso é uma atividade complementar ao curso de engenharia da ULBRA, no qual as principais abordagens são os fatores como arquitetura, funcionamento, normas, segurança e técnicas.

Rafael Ritter, CTO, fundador da FLYWARE, especialista em drones e dono de uma comunidade com mais de 15 mil seguidores também acredita no fortalecimento da área e enfatiza que “É importante criar a cultura desta tecnologia tanto para os novos profissionais como para as empresas e sociedades, principalmente quanto para o uso seguro e profissional”.

VEJA TAMBÉM EM

53245_6

Leave A Reply