EMGEPRON quer exportar novo navio-patrulha 500-BR para África, América do Sul e Ásia

Fonte: Emgepron//

A Emgepron (empresa pública vinculada ao Ministério da Defesa por intermédio da Marinha do Brasil) quer alcançar os mercados da África, América do Sul e Ásia com seu novo navio-patrulha 500-BR (NPa 500-BR). O Projeto Básico de Engenharia do NPa 500-BR encontra-se agora em fase de prontificação e a expectativa da estatal é de que brevemente possa iniciar-se sua construção, com envolvimento de diversas empresas brasileiras, geração de empregos e desenvolvimento da indústria nacional.

.: Leia também: DEFESA> Marinha desenvolve novo navio-patrulha NPa 500T-BR

A EMGEPRON celebrou parceria com o Centro de Projetos de Navios (CPN) para o desenvolvimento do projeto básico de engenharia para a construção do navio-patrulha 500-BR (NPa 500-BR), com deslocamento de 500 toneladas, comprimento de cerca de 57 metros, e velocidade máxima contínua de 20 nós, a ser empregado na vigilância e defesa do litoral, de áreas marítimas costeiras, no apoio a operações terrestres e na defesa de portos, podendo participar, ainda, de operações de fiscalização da Zona Econômica Exclusiva, busca e salvamento, proteção de plataformas petrolíferas, e na prevenção e repressão de delitos ambientais.

.: Leia também: Veja os valores que os Projetos Estratégicos da Defesa vão receber em 2017

O NPa 500-BR poderá contar com diversos sistemas oriundos da capacitação tecnológica da MB e da BID (Base Industrial de Defesa), com destaque para os Sistemas de Controle Tático – SICONTA, de Controle de Avarias – SICAV, e de Controle e Monitoração da Propulsão – SCMP, e ser dotado de munição de 40 mm produzida pela Fábrica Almirante Jurandyr da Costa Müller de Campos – FAJCMC, gerenciada pela EMGEPRON.

HISTÓRICO
A chamada Amazônia Azul, vasta área oceânica brasileira com cerca de 4,5 millhões de km², exige um Poder Naval moderno, equilibrado, adequadamente aparelhado e balanceado para o monitoramente. Nesse contexto, a execução de projetos estratégicos, previstos no Programa de Reaparelhamento da Marinha do Brasil (MB), exige participação, comprometimento, capacidade tecnológica e inovação da Base Industrial de Defesa (BID), fatores essenciais para o desenvolvimento da construção militar-naval brasileira, a fim de atingir as metas estabelecidas pela MB.

Nesse sentido, a Empresa Gerencial de Projetos Navais  EMGEPRON assumiu, em 2015, o desafio de investir e gerenciar a concepção de um novo Navio-Patrulha, como alternativa para dotar a MB com meio moderno, versátil e adequado, a ser construído no Brasil, com alto índice de nacionalização, mediante inclusão, em seu projeto, de sistemas de elevado grau de complexidade, desenvolvidos pela BID.

CARACTERÍSTICAS
Comprimento: 57,20 m
Boca: 8,76 m
Calado máximo: 2,61 m
Deslocamento carregado: 592 ton
Velocidade máxima contínua: 20 nós
Raio de ação a 13 nós: 2.800 MN
Propulsão: 2 motores diesel CODAD
Tripulação: até 43 militares
Autonomia: 20 dias

SISTEMAS DE COMBATE
Canhão 40 mm L /70
Duas metralhadoras até 20mm
Sistema CORCED (opcional somente para 7.62mm ou 12.7mm) Não atende a 20mm.
Lançador MSA (opcional).
Sistema óptico-eléctrico
Sistema de Controle Tático – SICONTA
Radar de busca de superfície
Radar de navegação
Equipamento de Medidas de Apoio à Guerra Eletrônica – MAGE (opcional)
Dispositivo acústico de defesa  (opcional)

MISSÕES
Vigilância da Zona Econômica Exclusiva
Controle de Navegação
Busca e Salvamento
Controle de poluição
Ação contra o tráfico de drogas, contrabando e pesca ilegal
Apoio para as operações militares

VEJA TAMBÉM EM

53245_6

 

1 Comentário

  1. Este navio patrulha é superior que a classe Macaé? Mas para defender plataformas de petróleo e portos, convenhamos! Como dito por alguém, estão transformando nossa marinha uma polícia costeira. Ainda acho que a marinha deveria conter em seu “organograma” a divisão da guarda costeira, assim como tem os fuzileiros, força de submarinos e outros.

Leave A Reply