EXÉRCITO começa processo para aquisição de C-23+ SHERPA ex-US Army

Fonte: Indústria de Defesa & Segurança//

O Comando Logístico do Exército Brasileiro (EB) começou o processo para a aquisição de quatro aeronaves C-23+ Sherpa através do Programa Foreign Military Sales (FMS), dos Estados Unidos. Segundo portaria do EB divulgada no dia 9 de agosto, as aeronaves serão destinadas “ao emprego nas missões de Apoio Logístico; de Apoio ao Combate; de transporte de pessoal e suprimento, em especial, para os Pelotões Especiais de Fronteira (PEF); e de coordenação e cooperação com agências, para a atuação em toda a Região Amazônica, áreas do Comando Militar da Amazônia, Comando Militar do Norte e Comando Militar do Oeste e, eventualmente, também em outras regiões do país”.

.: Leia também: Comitiva do Exército avalia compra de bimotor americano C-23B Sherpa

Ainda de acordo com o EB, a decisão foi tomada com base no relatório técnico feito em fevereiro deste ano, que mostrou que a aeronave vai representar economia de quase 40% do valor gasto atualmente para as missões. “O valor gasto anualmente em transporte aéreo pela 12ª RM (na contratação de empresas aéreas regionais civis) poderá ser aplicado nas Anv C-23B+ SHERPA. Os cálculos mostram que o preço do quilograma transportado pelo C-23B+ SHERPA é de cerca de 39% (trinta e nove por cento) menor que o transportado pela empresa aérea civil, contratada pela 12ª RM”.

O objetivo é adquirir as aeronaves, que vão operar na Força Terrestre por 15 anos, até 2021. “Por suas características técnicas, a aeronave C-23B+ SHERPA pode cumprir as missões de Apoio Logístico com vantagens operativas e com custo consideravelmente inferior ao da atual frota de helicópteros da AvEx. Uma consulta a um operador americano das Anv C-23B+ SHERPA apresentou um custo da Hora de Voo (HV), muito baixo, cerca de ¼ (um quarto) do valor médio da HV dos atuais Helcp da AvEx”, diz o documento.

Segundo o documento, o programa vai prever modernização das aeronaves, treinamento de militares e suporte por pelo menos cinco anos. A aquisição faz parte do planejamento do EB de reativar a aviação de asa fixa até 2019. 

VEJA TAMBÉM EM

53245_6

Leave A Reply