EXÉRCITO finaliza reestruturação do Sistema de Defesa Química

Depois de quatro anos, o Exército Brasileiro (EB) concluiu o Projeto de Reestruturação do Sistema de Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear em novembro. O processo começou em 2013. Ao longo de suas atividades, o Projeto contou com representantes do Estado-Maior do Exército, Comando de Operações Terrestres (COTER), Comando Logístico, Gabinete do Comandante do Exército, Departamento-Geral do Pessoal, Departamento de Educação e Cultura do Exército, Departamento de Ciência e Tecnologia e das organizações militares de Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear do Exército.

.: Leia também: ORÇAMENTO: Defesa conquista mais recursos para aliviar estrangulamento

Reuniões sistêmicas ocorreram nesse período, para o amplo debate das necessidades e oportunidades de melhoria das atividades especializadas. De acordo com o EB, cabe destacar que os integrantes do Projeto contribuíram para as ações realizadas para o emprego da descontaminação nos Grandes Eventos ocorridos no Brasil, no dimensionamento dos escalões de descontaminação do Exército Brasileiro e no aperfeiçoamento da doutrina em vigor.

defesa quimica

Ainda de acordo com o EB, dentre os objetivos que se desejava alcançar, estavam:

  1. Promover a efetiva reestruturação do Sistema de Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear no âmbito do Exército Brasileiro, ampliando sua capacidade de atuar com eficácia e eficiência nas atividades de Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear;
  2. Criar as condições necessárias para que, ao final do projeto, as atividades de DQBRN prossigam como um macroprocesso dentro da estrutura do Exército Brasileiro; e
  3. Criar Centros de Excelência acreditados por organismos nacionais ou internacionais para capacitação de recursos humanos, desenvolvimento de doutrina em DQBRN, identificação de agentes QBRN, assistência aos atingidos por aqueles agentes, ensaio e certificação de equipamentos, produção e desenvolvimento de material especializado.

A partir de agora, as ações do projeto serão continuadas por meio do Sistema de Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear. O Sistema tem, no COTER, o seu órgão central que atua por meio de assessorias especializadas e na condução do preparo e emprego das organizações militares de Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear. Tem, ainda, por atribuição, planejar, coordenar e controlar a execução das Técnicas, Táticas e Procedimentos (TTP) relacionados ao adestramento específico de Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear, estabelecendo as metas para avaliação dessas atividades.

defesa quimica (3)

Fonte: EB

VEJA TAMBÉM EM

53245_6

Leave A Reply