FAB E GOOGLE assinam acordo para operações com balões não tripulados

Fonte: FAB//

A Força Aérea Brasileira (FAB) assinou uma Carta de Acordo operacional com o Google para a elevação da segurança das operações aéreas no Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro (SISCEAB). O documento, assinado pelo chefe do Subdepartamento de Operações (SDOP) do DECEA (Departamento de Controle do Espaço Aéreo), Brigadeiro do Ar Luiz Ricardo de Souza Nascimento, e pela gerente sênior do Programa Segurança & Integração Aeroespacial do Google, Julie Jin, estabelece os procedimentos de coordenação e comunicação nas operações de balões não tripulados do Projeto Loon que entrarem no espaço aéreo territorial sob responsabilidade do DECEA.

.: Leia também: FAB vai apresentar mais de 20 projetos de defesa na LAAD 2017

 

DECEA e Google 2O Projeto Loon é reconhecido pela Assembleia Geral da Organização de Aviação Civil Internacional (OACI) e está voltado para os objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas e ao próprio conceito de “No Country Left Behind – Nenhum País Deixado para Trás”. O programa representa um esforço da organização em gerar maior proximidade entre os países mais desenvolvidos em aviação civil com aqueles que enfrentarão desafios decorrentes da modernização de sistemas, processos e normas do setor nos próximos anos.

O projeto pretende estabelecer uma rede de balões não tripulados para estender a conectividade para pessoas em áreas rurais e remotas em todo o mundo. Segundo informações da multinacional americana, mais da metade da população mundial ainda não tem acesso à Internet. A conexão de alta velocidade é transmitida ao balão mais próximo de uma empresa de telecomunicações em solo, retransmitida para a rede do balão e, depois, para os usuários no solo. Cada equipamento tem uma área de cobertura de 5 mil quilômetros quadrados.

BALÕES
DECEA e Google 3
Os balões são feitos de folhas de polietileno e têm o tamanho de uma quadra de tênis. São construídos para permanecer na estratosfera por um período aproximado de 100 dias, antes de retornar ao solo de forma controlada. Esta distância corresponde a mais ou menos 20 quilômetros de altitude (FL 600), entre a troposfera e a ionosfera.
 No final de vida útil do balão, o gás lift que o mantém é liberado e um paraquedas é acionado automaticamente para que a descida seja monitorada. Uma equipe rastreia a localização do equipamento usando GPS, em coordenação com o controle de tráfego aéreo local para levar cada balão em segurança para áreas despovoadas. Existem equipes responsáveis pelo recolhimento e os balões são reutilizados e reciclados.

PROJETO
Como responsável pela a confecção da CAop, o Tenente Davi entendeu a importância de estabelecer procedimentos padronizados a serem seguidos pelos regionais e pela empresa. Em coordenação com os representantes desses órgãos e do Google no Brasil e no exterior, o oficial coletou informações e peculiaridades de cada Região de Informação de Voo (FIR) para a produção do documento. O acordo entre o DECEA e o Controle de Missão do Projeto Loon (do inglês Loon Mission Control – LMC) estabelece os procedimentos de coordenação e comunicação entre os envolvidos nas operações de balões não tripulados que entrarem no espaço aéreo territorial sob responsabilidade do DECEA. Toda a operação deve ser realizada de acordo com a regulamentação de balonismo vigente, o Apêndice 5 (Balões não tripulados) do Anexo 2 (Regras do ar) da OACI, além de atender as normas nacionais.

No caso de coordenação de pré-lançamento no Brasil será publicado um NOTAM com as informações sobre o local de lançamento, a trajetória projetada e o horário das operações. Esta supervisão inclui, ainda, a separação prevista, a coordenação da descida, as descidas planejadas e não planejadas e os procedimentos em caso de contingência operacional. “Tenho convicção de que essa padronização de procedimentos relacionados ao projeto nos possibilitará manter o nível aceitável da segurança operacional do SISCEAB e nos colocará como um dos primeiros países da América do Sul a estabelecer um acordo com o Projeto Loon do Google”, esclareceu o Tenente Davi.

Com o Projeto Loon, o Google pretende lançar e manter uma frota de balões para fornecer Internet em solo, através de lançadores automáticos capazes de lançar um novo balão a cada 30 minutos. Já foram percorridos 19 milhões de quilômetros em voos de teste e um dos balões bateu o recorde de permanecer na estratosfera por 190 dias.

VEJA TAMBÉM EM

53245_6

Leave A Reply