GOVERNO> Ministério da Defesa cria agenda comum com Itamaraty para promover indústria

Fonte: Indústria de Defesa & Segurança//

O Ministério da Defesa e o Itamaraty preparam agenda comum para defender os interesses da Base Industrial de Defesa (BID), anunciou nesta sexta-feira, 14, o ministro Raul Jungmann. “Estou iniciando juntamente com o ministro José Serra uma coordenação mais sistemática do Ministério da Defesa e das Relações Exteriores. Lançaremos em breve um mecanismo de consulta acessível com uma série de painéis temáticos para formulação de políticas conjuntas com base na agenda convergente”, divulgou durante a abertura da 13º Conferência do Forte de Copacabana, no Rio de Janeiro. A conferência é promovida Fundação Konrad Adenauer e pelo Centro Brasileiro de Relações Internacionais (CEBRI).

.: Leia também: GOVERNO> Jungmann costura acordo para a indústria de defesa com Chile e Canadá

Segundo o ministro, é necessário que a Defesa esteja articulada com a diplomacia para assegurar os interesses nacionais. Ele definiu como princípios norteadores da agenda da pasta para sua gestão 4 Ds: Diplomacia, Defesa, Desenvolvimento e Democracia.

ENTENDA OS 4 Ds DO MINISTÉRIO DA DEFESA:

DEFESA

estrategia-nacional-de-defesa
Segundo Jungmann, a Defesa significa as metas estabelecidas pela Política Nacional de Defesa, Estratégia Nacional de Defesa e Livro Branco de Defesa Nacional.

DEMOCRACIA
Nas palavras do ministro, “traduz o mais absoluto respeito a ordem constitucional política de nosso pais, que evoca a transparência e crescente participação da sociedade e do Congresso na agenda da Defesa Nacional”.

DIPLOMACIA
De acordo com Jungmann, este princípio visa buscar defender as relações internacionais do Brasil, além de buscar conjugar interesses conflitantes.

DESENVOLVIMENTO

15370956646_7b21a2b677_b
Para Jungmann, o desenvolvimento consiste no lugar de destaque que tem a Defesa no projeto de desenvolvimento nacional: projetos estratégicos das Forças Armadas, BID e a necessidade de projeção de novas oportunidades internacionais e parcerias no âmbito internacional. “Não existe Defesa sem Base Industrial de Defesa autônoma. Ou pelo menos, não com autonomia e independência. Trabalharemos pelos produtos da BID e pela preservação dos projetos estratégicos das Forças Armadas que são motivo de orgulho nacional. Vale ainda ressaltar que a nova realidade fiscal do nosso país exigirá por parte do MD e dos comandos das três forças elevado grau de resiliência e adaptação a fim de manter os nossos projetos estratégicos”, explicou.

 

VEJA TAMBÉM EM

53245_6

 

Leave A Reply