INDÚSTRIA> Abimde quer que Ministério da Defesa atue na promoção comercial da indústria

Fonte: Indústria de Defesa & Segurança//

O presidente da Abimde (Associação Brasileia das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança), Frederico Aguiar, cobrou a presença de integrantes do Ministério da Defesa (MD) nas comitivas internacionais do Brasil para garantir a abertura de novos mercados para a indústria nacional. “Quando um representante do alto escalão do Ministério da Defesa integra as comitivas de Governo do Brasil e mesmo as missões empresariais, nosso setor tem as portas mais facilmente abertas nos mercados estrangeiros, tal qual acontece no Brasil quando recebemos visitantes deste quilate. É mostra que nossa indústria nacional é reconhecida como de qualidade e credibilidade por nossas próprias forças, condição sine qua non para exportações bem sucedidas”, disse durante a cerimônia de abertura da Mostra BID Brasil que contou com a presença do ministro da Defesa, Raul Jungmann.

.: Leia também: DEFESA> ‘Investimentos na indústria de defesa são necessários apesar da crise’, garante Jungmann

abertura-bid-brasilO presidente da Abimde também cobrou a aquisição única de produtos de defesa para as três Forças (Marinha, Exército e Aeronáutica). Isso permitiria o aumento da demanda para a indústria nacional e o consequente fortalecimento do setor. “O Ministério da Defesa deve priorizar a Política de Obtenção Conjunta para a maior gama possível de bens de aquisição comum. Do helicóptero a munição, a Base Industrial de Defesa tem muito a se desenvolver com aquisições únicas para as três Forças, de maneira programada e com previsibilidade, o que ensejará necessariamente no aumento da qualidade e na diminuição de custos atrelados, reforçando a relação ganha-ganha”.

Segundo Aguiar, as discussões sobre a concessão de incentivos fiscais para as indústrias do setor em meio à crise econômica que o País vive deve levar em consideração o emprego dual das tecnologias de defesa. “Em geral, a indústria de defesa se sustenta em um tripé: fornecimentos para as forças armadas, ao mercado de segurança e esforço de exportação. A maior parte das políticas públicas voltadas para a Base Industrial de Defesa tratam da vertente Forças Armadas e da vertente Exportações, sem contudo tratar da vertente mercado de segurança. Recentemente estudo encomendado pela Abimde à Fipe demonstrou ser a segurança responsável por parcela expressiva da movimentação econômica do PIB do país (4%, equivalendo a mais de R$ 200 Bilhões)”, explicou.

O presidente da Abimde também ressaltou que os grandes eventos sediados no Brasil mostraram a capacidade da indústria de defesa de prover meios e instrumentos para garantir a segurança do País. “Este fato, mais que trazer orgulho a todos nós, que nos empenhamos duramente para este resultado, comprova a capacidade interna de prover meios de Defesa e Segurança suficientemente adequados para lidar com os maiores desafios. Isso demonstra, por fim, a força de nossa indústria e que no amplo espectro vimos seguindo um caminho adequado para Defesa, desde a criação da Estratégia Nacional de Defesa”, disse.

 

 

VEJA TAMBÉM EM

53245_6

 

Leave A Reply