INDÚSTRIA NAVAL> Mercado naval sente efeitos da crise econômica em feira de negócios

Fonte: Indústria de Defesa & Segurança//

Empresários sentiram o impacto da crise econômica e da queda de demandas para o setor na feira da indústria naval Marintec South America. De maneira geral, a percepção dos representantes das empresas sobre o evento, que reuniu as principais indústrias do setor no Rio de Janeiro, foi de queda no número de visitantes e expositores neste ano. Segundo empresários ouvidos pelo site Indústria de Defesa & Segurança, as perspectivas de negócios permaneceram baixas, mas as empresas apostam em novos contatos para melhora do cenário nos próximos anos.

.: Leia também: INDÚSTRIA NAVAL> Desafio é não perder conteúdo local na crise, diz especialista

img_20160921_160532997De acordo com o engenheiro da Sotreq Leonardo D’Andrea, a feira “está menor que o ano passado, com menos visitantes”. Para ele o cenário de negócios deve ser pior no próximo ano. “Nossa perspectiva é (de crescimento somente) para 2018”, disse o engenheiro da empresa que fornece motores e geradores para a Marinha do Brasil. Apesar do pessimismo, a Sotreq firmou recente contrato de parceria com a Vulkan e acabou de fechar contrato com a Marinha para a revitalização de um navio no Pará, de acordo com as informações do gerente comercial Pedro Tostes.

O gerente da Macnor Leo Mateff também sentiu uma queda no movimento da feira de negócios nesta 13º edição da Marintec. No entanto, segundo o executivo, os contatos foram mais focados para os interesses da empresa. “Gosto muito dessa feira porque é pequena e é focada. Aqui fazemos o início do processo para novos contratos. Para a gente nunca é ruim porque nosso intuito é receber nossos clientes”, disse.

Já o gerente de serviço para a América do Sul da Marina Office, Nelson Del Vigna, viu com mais pessimismo a possibilidade de criação de novos negócios no setor naval. “Esse é o pior ano de todos devido a crise política. Vamos ter que fazer uma análise mais detalhada, mas parece que está seguindo o rumo da economia mesmo”, explicou o gerente da empresa que já participa há dez anos da feira.

A percepção da Vilkan, empresa alemã que fornece peças para motores de embarcações, também foi de queda. “A feira diminuiu em termos de expositores. Mas estamos otimistas com as perspectivas de negócios”, explicou Elisângela Melo, gerente de vendas.

A feira de negócios da indústria naval contou com 370 marcas neste ano, na edição anterior foram 380. A percepção de queda no número de marcas pode ter sido gerada porque algumas empresas dividiram um mesmo estande, de acordo com as informações dos organizadores. A 13º edição da Marintec South America foi encerrada nesta quarta-feira, 21, no Centro de Convenções SulAmérica no Rio de Janeiro.

 

VEJA TAMBÉM EM

53245_6

 

 

Leave A Reply