Marinha anuncia desativação do porta-aviões São Paulo

Fonte: ID&S com inf. de Estadão//

A Marinha do Brasil anunciou a desativação do porta-aviões São Paulo. Desde que foi incorporado à Força Naval, em 2000, o porta-aviões nunca foi uma unanimidade. O navio, que custou 85 milhões de franco (US$ 12 milhões), só operou relativamente bem até 2005. De acordo com a Marinha, o levantamento dos custos de modernização do navio superou a marca de R$ 1 bilhão e foi considerado excessivo pelo Almirantado.

.: Leia também: Marinha vai substituir fragatas por corvetas, revela Alm. Ivan Taveira

O processo de desmobilização começa imediatamente e só será concluído em 2020. O procedimento, em três etapas, exigiria 10 anos de trabalho e a imobilização da unidade. Os caças A-4 Skyhawk do Grupo Aéreo do São Paulo continuarão operando a partir da Base de São Pedro da Aldeia. O destino final do A-12 não está definido. O tamanho do investimento para recuperá-lo dificulta uma negociação no mercado de material de Defesa. O Minas Gerais, porta-aviões que antecedeu o São Paulo, acabou vendido como sucata no mercado internacional.

NAe-São-Paulo-A12-2007-by-www.naval.com.br

PORTA-AVIÕES SÃO PAULO
O navio, construído na França na década de 1950, já serviu à Marinha francesa. Desde que foi incorporado à Marinha brasileira, o porta-aviões tem sofrido vários acidentes, com pelo menos quatro marinheiros mortos. Em 22 de fevereiro de 2012, um militar morreu em incêndio e três ficaram feridos. Outro acidente, ainda mais grave, matou três marinheiros em 17 de maio de 2005, após o rompimento de uma tubulação de vapor. No mais recente acidente, em 2014, o porta-aviões apresentou falhas quando fazia testes em seu sistema de propulsão na Baía de Guanabara: o primeiro problema levou ao derramamento de óleo para o mar, e o segundo foi um vazamento de vapor que atingiu três tripulantes.

LEIA A NOTA DO CENTRO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA MARINHA

Após diversas tentativas de recuperar a capacidade operativa do NAe “São Paulo”, o Almirantado concluiu que o Programa de Modernização exigiria alto investimento financeiro, conteria incertezas técnicas e necessitaria de um longo período de conclusão e decidiu pela desmobilização do meio, a ser conduzida ao longo dos próximos três anos.

Um programa de obtenção de um novo conjunto Navio-Aeródromo x aeronaves, ocupará a terceira prioridade de aquisições da Marinha, logo após o PROSUB/Programa Nuclear e o Programa de Construção das Corvetas Classe Tamandaré. O custo de aquisição desse novo binômio será substancialmente menor que o de modernização do NAe “São Paulo” e de obtenção de novas aeronaves compatíveis com o NAe, já que as aeronaves AF-1 deverão estar no final de sua vida quando o “São Paulo” terminasse sua modernização.

O “São Paulo” foi incorporado à Marinha em 2000, a partir de uma compra de oportunidade da Marinha Nacional da França, com os propósitos precípuos de substituir o antigo Navio-Aeródromo Ligeiro “Minas Gerais”, em término de vida útil, e proporcionar a evolução das operações aéreas embarcadas com o emprego dos aviões de asa fixa e propulsão a jato A-4 Skyhawk.

Apesar de já contar com 37 anos de serviço ativo no momento da aquisição, o Navio cumpriu bem sua missão nos primeiros anos em atividade pela Esquadra brasileira, possibilitando à Marinha adquirir a capacitação para operar aeronaves de alta performance embarcadas.

Lamentavelmente, os estudos de exequibilidade do referido Programa indicam um longo período para sua conclusão, aproximadamente dez anos, além de incertezas técnicas e elevados custos.

Até que a Marinha receba um novo Navio-Aeródromo, a capacidade de conduzir operações de guerra naval com emprego de aviação de asa fixa, obtida às custas de grandes investimentos e intensos treinamentos dos nossos pilotos no país e no exterior, será mantida a partir da Base Aérea Naval e de outras instalações de terra, e também por meio de treinamentos com marinhas amigas.

maxresdefault

VEJA TAMBÉM EM

53245_6

Leave A Reply