MD pretende lucrar US$ 1,5 bilhão ao ano com exploração comercial de Alcântara

Fonte: Indústria de Defesa & Segurança//

Tornar rentável o Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) é uma das metas do Ministério da Defesa (MD). As estimativas são de que a exploração comercial do CLA gere cerca de US$ 1,5 bilhões por ano aos cofres brasileiros. Para isso, a pasta retirou do Congresso Nacional o marco regulatório e está revisando para abrir as brechas necessárias que vão tornar possível colocar em prática as negociações para operação do local. “Aqui o Brasil investiu muito e o Brasil tem muito a lucrar com o relançamento de Alcântara. Nós estamos redefinindo toda a governança e nós estamos revendo os acordos de salvaguardas. Nós retiramos o acordo anterior que tínhamos com os Estados Unidos no Congresso Nacional e vamos reenvia-lo em breve”, declarou Jungmann durante visita ao Centro de Lançamento nesta quarta-feira, 12 de abril.

.: Leia também: Quatro países manifestam interesse no Centro de Lançamento de Alcântara

Localizado a 2º ao Sul do Equador, Alcântara tem despertado o interesse de Estados Unidos, França, Israel e Rússia. Apesar de ter sido declarado “parceiro estratégico” em defesa para o Brasil, os Estados Unidos não farão uso exclusivo do centro de acordo com o MD. “É importante dizer que nós aqui não vamos trabalhar só com os Estados Unidos, nós vamos trabalhar, se houver interesse, e se de fato formos adiante, com diversos países, a Rússia, como foi aqui citado; a França, que esteve aqui recentemente; Israel também tem interesse. Nós vamos transformar isso aqui em algo que será plural e, obviamente, também com a participação brasileira, que deve também ter condições”.

“Não existe uma negociação (apenas) com os EUA, existe uma negociação ampla. Nós estamos hoje revisitando o arcabouço regulatório para que a gente tenha de fato uma possibilidade de uma exploração comercial e econômica da área”, explicou o secretário de Produtos (Seprod) do MD, Flávio Basílio, negando que exista vantagem dos Estados Unidos na negociação.

O Brasil quer ainda se inserir no mercado de nano e micro satélites que, segundo dados divulgados por Basílio, possui mais de 4 mil lançamentos por ano. “Também podemos explorar obviamente satélites maiores. Um lançamento oscila entre 20 milhões passando de US$ 100 milhões cada lançamento. Só a gente fazer a conta que a gente vai ver o tamanho desse mercado, que pode gerar resultado primário para economia brasileira e contribuir para o resultado fiscal”.

 

VEJA TAMBÉM EM

53245_6

Leave A Reply