MERCADO> Efetividade da política de conteúdo local volta ao debate na indústria naval

Fonte: Comunicação Integrada//

Em meio à reestruturação política que o país enfrenta, um assunto que voltou à tona no mercado naval foi a política de conteúdo local, que atualmente exige que a produção de equipamentos nacionais atinja níveis entre 60% e 75%. Segundo especialistas do setor, as regras estabelecidas tendem a trazer ganhos ao mercado, mas para que se concretizem mudanças são necessárias. Para eles, da forma que está, é muito difícil alcançar a meta estabelecida.

.: Leia também: NEGÓCIOS> Empresas acreditam em retomada do crescimento da indústria naval em 2017

Para o superintendente do Estaleiro Renave, Luiz Eduardo de Almeida, essa é uma política benéfica, mas o problema é que não se faz o que se estabelece através dela. “Não há como exigir que um construtor, por exemplo, construa navios nacionais se não há fabricantes de peças de qualidade no país. No papel é muito fácil, não basta escrever a lei apenas, é preciso criar toda uma infraestrutura nacional que atenda a essas exigências”, acrescenta Almeida. O especialista participará da segunda edição do Fórum de Líderes da Construção Naval, durante a 13ª Marintec South America, no Rio de Janeiro.

O gerente administrativo do Estaleiro Marciate, Alberto Taborga, corrobora. “Os estaleiros enfrentam dificuldades para encontrar peças no país e quando conseguem os preços são muito elevados ou os produtos demoram muito para serem entregues, o que acaba atrasando os trabalhos. Sem dúvida nenhuma, essa é uma área que deveria crescer no Brasil e uma lei que institua essa prática, que favoreça a fabricação e o fornecimento dos materiais tende a trazer benefícios ao setor”.

O questionamento à política nacional não se restringe apenas aos estaleiros, o gerente de vendas de soluções marítimas da Wärtsilä Brasil, Mário Barbosa, diz que o conteúdo local é interessante para desenvolver toda a indústria brasileira, mas há que se atentar a alguns pontos. “Antes tem que analisar a competitividade, com a possibilidade de disponibilizar preços competitivos ao mercado e com equipamentos de qualidade, mas com a baixa demanda em algumas peças isso não se concretiza. É necessário que se reavalie a política, porém, sinceramente, teria que ver ainda se isso não prejudicaria as empresas que já investiram nesse mercado”, ressalta.

Barbosa reforça esse ponto porque a Wärtsilä Brasil é uma das empresas fornecedoras que já apostaram nessa lei. “Para nós essa política já fez bastante diferença. Nos projetos das sondas para a Sete Brasil e para a Petrobras, por exemplo, fizemos um grande investimento de uma unidade de montagem de grupos geradores, propulsores e de outros equipamentos que poderíamos ter fabricação no mercado nacional”, conclui o executivo da companhia, que assim como o Estaleiro Marciate.

 

VEJA TAMBÉM EM

53245_6

 

 

Leave A Reply