NEGÓCIOS> “Embraer tem que amargar para sobreviver”, acredita fundador

Fonte: G1//

O fundador da Embraer acredita que o Programa de Demissão Voluntária (PDV) anunciado pela empresa no último dia 8 de agosto é uma “comida desagradável que ela tem que amargar para sobreviver”. Ozires Silva, considerado ícone da indústria aeronáutica brasileira, conversou com jornalistas durante um evento de empreendedorismo na última terça-feira, 16, em Sorocaba (SP).

.: Leia também: CONJUNTURA> Embraer abre plano de demissão voluntária para economizar US$ 200 milhões

Conforme o anúncio da Embraer aos empregados no país, a medida, motivada pela crise, faz parte de um pacote ações que a fabricante de aeronaves vai adotar para reduzir em cerca de US$ 200 milhões ao ano as despesas da companhia. Curiosamente, o valor corresponde ao da dívida da empresa com a Justiça americana em um processo que é acusada de corrupção para venda de aeronaves militares.

No último trimestre, a Embraer sofreu prejuízo de R$ 337,3 milhões, revertendo resultado positivo, de R$ 399,6 milhões obtido no mesmo período do ano passado. A companhia também cortou estimativas para entregas de aviões executivos e comerciais, reduzindo a projeção de receitas líquidas. “A gente tem que amargar algumas comidas não agradáveis para manter a companhia vivendo. Ela não fez demissão em massa, mas um plano de demissão voluntário, que ao meu ver é a maneira mais decente e de maior respeito aos trabalhadores”, disse.

REDUÇÃO DE CUSTO

No pacote de medidas contra a crise, a Embraer anunciou a revisão do plano anual para os próximos anos em que prevê readequação da estrutura administrativa e operacional e redução de custos em todas unidades da empresa no mundo. “A vida de uma empresa é pontuada de sucessos e fracassos. Isso é relativo aos últimos dois ou três meses, mas a Embraer tem 46 anos de idade. Uma empresa extremamente bem sucedida, mas que não está resistindo em certos aspectos à crise imposta pelo governo. Ela está tentando se livrar das variações enormes do dólar e problemas em transações internacionais. O preço do petróleo baixou bastante, mas as linhas áreas ainda estão no vermelho. Há uma queda na demanda de produção”, avaliou.

Silva afirmou que não vê a situação como “crítica”, mas diz que as ações para contenção de gastos, como o PDV, são “uma reação de uma empresa viva que quer sobreviver e crescer”. “A gente tem que amargar algumas comidas não agradáveis para manter a companhia vivendo. Ela não fez demissão em massa, mas um plano de demissão voluntário, que ao meu ver é a maneira mais decente e de maior respeito aos trabalhadores. Em geral damos muito mais importância aos problemas do que as soluções. Quem sabe mais tarde, quando voltar a Sorocaba, a pergunta não seja o sucesso da Embraer, que está lutando para ter o melhor possível.”

Além de fundador e duas vezes presidente da Embraer – uma das maiores empresas aeroespaciais do mundo -, Silva também presidiu a Petrobras e chefiou o Ministério da Infraestrutura. Atualmente, ele é reitor da Unimonte, uma universidade particular em Santos (SP). Ele, que também já foi presidente da Petrobras, também fez sérias críticas ao Governo Federal e as denúncias da operação Lava Jato envolvendo desvios de dinheiro na empresa.

“Quem criou problema foi o acionista majoritário chamado governo. Quando eu presidi a Petrobras, enfrentei uma luta muito grande para dizer que é ela uma empresa criada para servir ao povo brasileiro e não ao governo. O Ministério de Minas e Energia passou a interferir diretamente na Petrobras, inclusive nos poderes do próprio presidente. O resultado é que agora nós temos que pagar essa conta”, finalizou.

 

VEJA TAMBÉM EM

53245_6

 

Leave A Reply