ORÇAMENTO: Exército só tem recursos para até este mês, declara Gen. Villas Bôas

Fonte: Indústria de Defesa & Segurança//

O Comandante do Exército, General Eduardo Villas Bôas, afirmou que o contingenciamento de 44% no orçamento previsto para esse ano permitiu manter a Força apenas até este mês. De acordo com ele, as operações na fronteira são as mais prejudicadas pela falta de recursos. O orçamento desejado pelo Exército é de R$ 2 bilhões, mas este ano a Força vai receber menos de R$ 800 milhões. “Houve um contingenciamento de 44% que nos permitiu sobreviver até agora em setembro. Agora estamos em um ‘puxa e afrouxa’ com a área econômica do governo para tentar obter mais recursos que nos permita chegar até o final do ano”, disse em entrevista a Rede Globo na noite da última terça-feira, 19.

.: Leia também: Veja o Orçamento das Forças previsto para 2017 antes do contingenciamento

“Em consequência disso, nós demos início neste ano a um programa de racionalização do Exército: racionalização administrativa, diminuição do efetivo – temos 220 mil e vamos baixar para 200 mil”, disse o general. De acordo com o EB, o corte feito no orçamento da Força Terrestre foi de R$ 24,09 milhões.

.: Leia também: Com contingenciamento, PROSUB tem verba só até setembro

Ainda segundo o Exército, a falta de recursos vai impactar diretamente os Projetos Estratégicos. “As iniciativas estratégicas do Exército serão afetadas pelos cortes e contingenciamentos orçamentários. O atraso de cronograma é apenas uma das várias consequências previstas. Há outras de maior impacto, tais como os reflexos na Base Industrial de Defesa, com a inevitável dispensa de mão de obra qualificada em tecnologias sensíveis, a impossibilidade de manutenção das linhas de montagem nas fábricas e a necessidade de repactuação de contratos celebrados”, divulgou em nota o Exército.

corte exercito

“A longo prazo, além das lacunas de capacidades necessárias às missões da Força, os diversos projetos passam a ser mais custosos pois há uma interrupção no desenvolvimento e acompanhamento de tecnologias que, ao serem retomados, tornam-se mais caros. As consequências de atraso e/ou interrupção estão presentes em quaisquer projetos, mas são muito mais graves e abrangentes quando se tratam de projetos de defesa visto que as especificidades desta área envolvem aspectos restritos a nichos de conhecimento não disponíveis no mercado comum”, completou a nota.

E, finaliza: “Outro fator relacionado ao tema é a imprevisibilidade da alocação de recursos. A incerteza da disponibilidade orçamentária, como a que se tem observado, gera um cenário caótico para o atingimento dos objetivos estratégicos do país”.

VEJA TAMBÉM EM

53245_6

1 Comentário

  1. FORÇAS ARMADAS DO BRASIL SUCATEADAS NOS 13 ANOS DA MÁFIA PT E MAFIOSA DILMA 171 ROUSSEF > isso vai se parcialmente solucionado com liberação de R$20 Bilhões depois da meta fiscal ter sido alterada no congresso nacional para todos os ministérios. A culpa é de quem faliu o estado brasileiro falido e não foi o presidente Temer com a pedaladas fiscais da Dilma 171 Roussef e sua máfia PT.

Leave A Reply