ORÇAMENTO> MCTIC reserva R$ 540 milhões para inovação de Defesa

Fonte: Com inf. de MCTIC//

O do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) divulgou que vai reservar R$ 540 milhões para projetos de inovação na área da Defesa. Os recursos, oriundos da Finep e do CNPq, ainda precisam ser aprovados. De acordo com o secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação, Alvaro Prata, 48% do montante ainda estão pendentes de liberação.

.: Leia também: FAB> Jungmann recebe satélite geoestacionário na França
O desenvolvimento de tecnologia para fabricar veículos lançadores de satélite é uma das prioridades. (Divulgação/INPE)

O desenvolvimento de tecnologia para fabricar veículos lançadores de satélite é uma das prioridades. (Divulgação/INPE)

De acordo com Prata, a iniciativa é um marco na aproximação entre o MCTIC e o Ministério da Defesa. “Temos vários projetos em conjunto e uma agenda intensa. O importante é trabalhar de maneira harmônica e sinérgica para obter os melhores resultados”, disse durante encontro com representantes das Forças Armadas na última quinta-feira, 01 de dezembro.

O secretário destacou que três dos setores considerados estratégicos para a defesa nacional – espacial, cibernético e nuclear – contam com programas e ações específicas da pasta. No setor espacial, citou o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC), com previsão de entrar em operação em 2017. Prata também apontou como prioridade o desenvolvimento de tecnologia para fabricar veículos lançadores de satélite, além de instrumentos de comunicações para controle aéreo, terrestre e marítimo.

SETOR NUCLEAR

No setor nuclear, o secretário enfatizou o Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub), que viabilizará a produção do primeiro submarino brasileiro de propulsão nucelar (SN-Br), e o mapeamento e o aproveitamento das jazidas de urânio no Brasil. Ele também ressaltou a importância da energia nuclear para a área médica, a exemplo do projeto do Reator Multipropósito Brasileiro, que pode dar ao País a autonomia na produção de radioisótopos.

Para o diretor do Departamento de Ciência e Tecnologia Industrial do Ministério da Defesa, general Claudio Duarte de Moraes, a visão de longo prazo é fundamental para que os projetos na área de defesa produzam resultados e benefícios. Segundo ele, a apresentação do secretário trouxe tranquilidade em relação ao futuro das parcerias entre os setores de ciência, tecnologia e defesa.

 

VEJA TAMBÉM EM

53245_6

 

Leave A Reply