ORIENTE MÉDIO: Jungmann discute parcerias para indústria de defesa com Catar e Jordânia

No último fim de semana, o ministro Raul Jungmann iniciou uma visita oficial ao Oriente Médio para debater temas relacionados às agendas estratégicas em comum, a cooperação na área de defesa e a possibilidade de novos negócios com os países árabes. Também acompanharam a comitiva ministerial representantes de 14 empresas da Base Industrial de Defesa (BID), que têm como missão divulgar produtos nacionais, fortalecer as relações já existentes e abrir outros mercados.

.: Leia também: GOVERNO: Na Jordânia, Jungmann se reúne com James Mattis

Na sexta-feira (1), em uma breve passagem por Túnis, na Tunísia, a caminho da Jordânia, Jungmann foi recebido pelo secretário das Relações Exteriores, Sabri Bachtobji, pelo chefe do Estado-Maior da Aeronáutica, Mohamed Hajjem, e pela embaixadora do Brasil, Márcia Maro da Silva. Os dois países discutem áreas de cooperação, especialmente, nos setores de indústria de defesa e proteção de fronteiras.

.: Leia também: BID: ‘Há tabu para exportar produtos de defesa’, diz secretária de comércio exterior

Abdullah II esteve em Manaus (AM), em março, onde conheceu o adestramento das tropas especiais de selva. Segundo ele, o Brasil é uma prioridade na América Latina. O monarca relembrou o desenvolvimento do projeto do blindado Osório, que considera um dos um melhores do mundo. Jungmann falou das peculiaridades que unem os dois países: “Nós temos similaridades como a democracia, a preocupação com a paz e estabilidade global”. Por fim, o ministro anunciou que, em 2018, o ministro das Relações Exteriores do Brasil, o chanceler Aloysio Nunes, deverá visitar o país em março e, possivelmente, o presidente Michel Temer virá no meio do ano.

INDÚSTRIA DE DEFESA
Os empresários que acompanham o ministro durante a missão participaram de diversas reuniões de trabalho. Para o presidente da Associação Brasileira de Indústria de Materiais de Defesa e Segurança (ABIMDE), Carlos Frederico Queiroz de Aguiar, a chance de acompanhar esta missão é essencial para a divulgação dos produtos brasileiros e para o fortalecimento de parcerias comerciais. A expectativa é de que no próximo ano, governo e a classe empresarial dos dois países se reúnam para um novo encontro.

BRASIL E CATAR
Jungmann fez uma reunião na última segunda-feira (4) com o emir do Catar, o xeque Tamim bin Hamad Al Thani. A pauta tratou do fortalecimento da cooperação bilateral e a parceria no desenvolvimento de projetos estratégicos setoriais. Além da cooperação na área da defesa e parcerias industriais, o Brasil também irá compartilhar sua expertise em inteligência, principalmente no que se refere a sediar grandes eventos, pois o Catar será o anfitrião da Copa do Mundo de 2022.

Brasil e Catar estabeleceram relações diplomáticas em 1974. Após vinte anos de contatos meramente formais, pontilhados por visitas privadas de altas autoridades, o Catar passou a demonstrar interesse crescente em aprofundar seus vínculos com o Brasil. No início da reunião, Jungmann e o xeque Tamim bin Hamad Al Thani fizeram breves considerações sobre as visões estratégicas dos dois países. Em seguida, o ministro destacou as prioridades geoestratégicas do Brasil, focadas no incremento da cooperação com as nações amigas de todo o mundo. “Mais do que uma relação de compra e venda, queremos estabelecer parcerias, para que todos saiam ganhando”, disse o ministro.

Fonte: MD

VEJA TAMBÉM EM

53245_6

Leave A Reply