PORTA-AVIÕES INGLÊS começa primeiros ensaios no mar

Fonte: Defense News//

Quase 20 anos depois que o governo britânico decidir pela primeira vez construir dois grandes porta-aviões para reviver a capacidade de ataque aéreo global da Royal Navy, o primeiro navio, o HMS Queen Elizabeth, deixa a doca em Rosyth, na Escócia, para iniciar ensaios em mar. O porta-aviões de 70 mil toneladas faz parte de um programa que custará cerca de £ 6,2 bilhões (US$ 7,8 bilhões) no momento em que o segundo porta-aviões, o HMS Prince of Wales, for concluído em 2019.

.: Leia também: Almirante inglês aponta vulnerabilidade de destroyers britânico diante de submarinos russos

O Queen Elizabeth saiu do cais na última segunda-feira, 26, para iniciar os ensaios iniciais no Mar do Norte. Espera-se que essa fase do projeto dure cerca de 11 semanas antes do navio ser deslocado para a base naval em Portsmouth, que será sua casa nos próximos 50 anos ou mais. Problemas técnicos não especificados atrasaram o início dos testes em cerca de dois meses, mas funcionários do Ministério da Defesa inglês disseram anteriormente que é um pequeno revés e dentro da tolerância do programa.

New_MO170034021

.: Leia também: Grã-Bretanha vai enviar destróier para o mar Negro pela primeira vez desde a Guerra Fria

Queen ElizabethOs porta-aviões são os maiores navios de guerra já operados pela Royal Navy. Os navios têm 280 metros de comprimento e podem embarcar até 40 aviões Lightning II – embora altos oficiais navais tenham dito que poderiam realmente transportar mais aeronaves, se necessário. O deck do hangar mede 155 metros por 33 metros com elevadores capazes de levantar duas aeronaves para a plataforma de voo simultaneamente em cerca de 60 segundos. Os navios são alimentados por um sistema de propulsão elétrica integrado empregando duas unidades de turbina a gás Rolls-Royce MT30 e dois geradores diesel Wärtsilä.

.: Leia também: MARINHA DOS EUA incorpora porta-aviões nuclear mais moderno da frota

“Os próximos três anos serão fundamentais para estabelecer a capacidade de ataque do porta-aviões. O Ministério da Defesa deve reunir os navios, os jatos F-35B Lightning II e o radar [helicópteros] do Crowsnest [alerta aéreo]com equipes treinadas e infraestruturas de apoio, logística, comunicações e vigilância. Precisa testar e operar todos esses elementos juntos em preparação para implantação em 2021”, afirmou o NAO.

Os britânicos não têm os recursos para operar ambos os seus operadores de uma só vez, mas a conclusão do HMS Prince of Wales permitirá que a Royal Navy disponha de uma operadora disponível para operações em todos os momentos. 

New_MH170002007_2

VEJA TAMBÉM EM

53245_6

Leave A Reply