SEGURANÇA> Após tiroteio em Ipanema, Beltrame pede demissão

Fonte: G1//

Após tiroteio em Copacabana e Ipanema, bairros da Zona Sul do Rio de Janeiro, o secretário estadual de Segurança do estado, José Mariano Beltrame, pediu demissão do cargo. A decisão do governador em exercício Francisco Dornelles foi divulgada na manhã desta terça-feira, 11. Segundo o site G1, o secretário passou a tarde da segunda-feira, 10, com os governadores e entregou a carta de demissão. A decisão havia sido tomada no último fim de semana. Beltrame pretendia entregar sua carta de demissão nesta terça-feira, mas o intenso tiroteio e os ataques às UPPs do Pavão-Pavaozinho na tarde desta segunda-feira aceleraram sua saída. O subsecretário de Planejamento e Integração Operacional da secretaria, Roberto Sá, deverá assumir o cargo. Essa substituição já era cogitada há pelo menos dois anos.

.: Leia também: SEGURANÇA> Em debate, delegados defendem maior rigor no combate ao crime

ff_policia-realiza-operacao-apos-ataque-a-base-upp-copacabana-pavao-pavaozinho_002-850x566O governador licenciado do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, disse nesta manhã, em Brasília, que vai pedir para que José Mariano Beltrame fique no governo até o fim da gestão, em dezembro de 2018. No entanto, Pezão disse que o secretário está “cansado” e, por isso, não pode exigir a permanência dele. “Eu não tive a oportunidade de falar com ele. Se eu tiver a oportunidade, vou pedir para ele que fique até o fim do governo. Agora eu também não posso exigir que uma pessoa que está há 10 anos à frente da segurança pública continue. Eu me preocupo muito, porque ele está cansado.”

Em uma rede social, Beltrame disse que a polícia “cumpriu seu papel” e que a UPP e o Comando de Operações Especiais “evitaram uma guerra entre quadrilhas”.  “As imagens produzidas ontem são péssimas para a cidade, mas a polícia não pode se omitir e, mais uma vez, cumpriu seu papel. Ontem, a UPP e o Comando de Operações Especiais evitaram novamente uma guerra entre quadrilhas. Desde o indulto concedido a um criminoso no Dia das Mães, esta quadrilha ameaçava invadir outros morros na Zona Sul. A exemplo do São Carlos e Turano, com inteligência policial antecipamos, neutralizamos e prendemos. Este trabalho foi possível pela presença da UPP e o trabalho integrado com o COE”, disse Beltrame em sua postagem.print_seseg1

 

GESTÃO DE BELTRAME

O mais longevo secretário de Segurança do Rio completaria dez anos à frente da pasta em novembro. Nascido em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, foi responsável pela implementação das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), principal vitrine de sua gestão. Em junho, diante da falta de perspectivas para planejar a política de segurança no estado em decorrência da crise financeira, Beltrame fez um desabafo: “já pensei várias vezes em largar o cargo”, afirmou na época, sem o otimismo que virou sua marca registrada ao longo dos nove anos na pasta.

.: Leia também: SEGURANÇA> Política de Segurança do Rio aumenta criminalidade de municípios vizinhos, acredita delegado

Roberto Sá, seu possível sucessor, é natural de Barra do Piraí, no Sul fluminense. Em 2000, formou-se em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Rio (PUC-Rio). Sua carreira policial começou na Escola de Formação de Oficiais da Polícia Militar, em 1983, como cadete. Dois anos depois, foi nomeado aspirante a oficial. Em seguida, galgou todas as promoções até o posto de tenente-coronel, quando deixou a PM fluminense para ingressar na Polícia Federal. Na PM, Roberto Sá foi instrutor do Batalhão de Operações Especiais (Bope), de 1989 a 1992. Já na Polícia Federal, esteve à frente da Delegacia de Polícia Fazendária do Acre e participou, como chefe de Segurança Móvel, da escolta das 184 delegações estrangeiras presentes à Assembleia Geral da Interpol, realizada no Rio, em 2006. O programa das UPPs foi planejado e coordenado por sua subsecretaria.

 

VEJA TAMBÉM EM

53245_6

 

1 Comentário

  1. A polícia do Rio de Janeiro além de enfrentar um exército de marginais que estão fortemente armados com um grande arsenal de guerra, tem também que enfrentar as críticas e campanhas negativas dos meios de comunicação! Em um estado a onde se mais mata PMs no Brasil, também é o estado a onde a imprensa esquerdopata mais denigre a tropa! A polícia não conta com apoio da população que em grande parte é alienada pela mídia manipuladora! A política de direitos humanos é amplamente aplicada para defender bandidos, e nunca é vista defendendo o policial ou seus familiares! A polícia fluminense é mal equipada e mal remunerada, e está totalmente desmotivada! Pois não conta com apoio de parte da população e muito menos das autoridades. E o Beltrame sabendo disso, pulou fora desta canoa furada! Muitos que criticam o trabalho da polícia, são os mesmos que cheiraram cocaína e que financiam a violência! A imprensa carioca é defensora de bandidos, e é uma grande responsável pelo caos a que chegamos.

Leave A Reply