SUL COREANA KAI vai fornecer painéis para KC-390

Fonte: FlightGlobal e Portal Brasil//

A Korea Aerospace Industries (KAI) fechou um contrato de cerca de 339 milhões de euros com a Embraer para fornecimento de estruturas para os aviões E-190 E2, E-195 E2 e KC-390. O contrato está previsto para até 2033. No caso do cargueiro KC-390, a empresa sul coreana ficará responsável pelo fornecimento dos painéis de fuselagem inferior e superior do avião. Além da Coreia do Sul, também integram a cadeia de produção do KC-390 Portugal, Argentina e República Tcheca.

.: Leia também: EMBRAER planeja anunciar 1º contrato internacional do KC-390 ainda este ano

O KC-390, que passa por testes de certificação, é atualmente um dos principais produtos de defesa do Brasil. Somente na LAAD Defense & Security, a Embraer recebeu mais de 50 delegações interessadas no cargueiro. A proposta da Embraer é garantir um cargueiro com reduzido custo de operação e ciclo de vida. A aeronave possui capacidade de transporte de até 26 toneladas de carga com um velocidade de 870 km/h. O KC-390 pode atuar como avião de reabastecimento e consegue operar em pistas despreparadas. A Embraer pretende fechar o primeiro contrato internacional de fornecimento do KC-390 ainda neste ano. A conclusão da certificação da aeronave deve ser concluída em 2018.

KC-390
O contrato de desenvolvimento começou em 2009 e está agora em sua quarta fase, que envolve testes de certificação da aeronave. O governo brasileiro investiu mais de R$ 4 bilhões na fase de desenvolvimento do KC-390. Para o piloto de ensaios da Embraer, comandante Jordão, o cargueiro representa um “orgulho enorme” para o Brasil. “Realmente esse programa dá um update na Embraer, um novo degrau a ser atingido, não só na aviônica, mas no trabalho cruzado entre o que espera que ela faça na vida real e o que a tecnologia está nos dando. Estamos tendo grandes experiências. Realmente é um marco para a indústria brasileira.” Ele aponta que o KC-390 coloca o Brasil em uma posição muito vantajosa em termos de defesa na América do Sul. “Estamos falando de mobilidade e capacidade de reação. Um país que não tem uma aeronave dessa categoria, não tem capacidade de reação”, pontuou.

VEJA TAMBÉM EM

53245_6

Leave A Reply